Minha roça

Já avisto a linha do horizonte. Verde, morro, mato. É a paz.

Já avisto a linha do horizonte

Verde, morro, mato

É a paz

Na tronqueira.

Sinto um forte cheiro de queimado

Minha memória surge em lágrimas

Combustível

Na fogueira.

Logo vejo a casa

Aquecia a alma

O amor edificava

Na infância.

O nada

Surgia a imaginação

Meu tudo

Na natureza.

Curral

Horta

Fruta do pé

Na Bahia Velha

Obrigado, Manoel

Por ensinar a tirar mandioca da terra.

Fazer o alimento raiz

Ser parte de mim.

Ele é o meu avó.

91 anos.

Trabalho duro.

Na terra.

O estudo era a sua consciência

Prova da existência de Deus

Nos seus valores

Nossa roça. 

Pedro Aurélio
InsTAGRAM
Outras histórias